1 de dezembro de 2009

Morte de perito revolta Polícia Civil ( VIOLÊNCIA)



Morte de perito revolta Polícia Civil


• Paixão Barbosa

• 07.30.09

• Bahia, Polícia Militar, Segurança, Corregedoria da PMBA, Hilton Martins Rivas, Polícia Civil da Bahia, Polícia Militar da Bahia





O clima esquentou entre as polícias civil e militar da Bahia, após a morte do perito-técnico Hilton Martins Rivas, abatido a tiros na quarta-feira, durante uma desastrosa abordagem de quatro policiais militares, quando estava no Largo do Santo Antônio Além do Carmo (Centro Histórico de Salvador). Pelas versões de testemunhas e de parentes, a culpa é de um tenente PM que atirou no perito com uma metralhadora, mesmo com este lhe dizendo que também era policial.

Os superiores do tenente optaram pela versão que este contou, segundo a qual Hilton Martins teria sacado uma pistola que carregava na cintura. Seja qual for a versão correta, destaca-se no fato o despreparo do oficial que, após atirar e descobrir o erro cometido, preocupou-se somente em recolher as cápsulas deflagradas e saiu no veículo oficial, deixando a vítima estendida na calçada.

O crime deixou revoltados os colegas do perito, que ameaçam paralisar todas as suas atividades até que o tenente e os integrantes da sua equipe sejam apresentados à Polícia Civil. Contribuiu para o clima ruim a reação do corregedor da Polícia Militar, coronel Manoel Francisco Bastos, que, além de se recusar a apresentar o autor dos disparos, disse que ele continuará trabalhando normalmente, porque não existiriam razões para prendê-lo.

Comprando ineiramente a versão dos militares, o coronel acha que o tenente agiu no legítimo cumprimento do dever. “O perito sacou a arma e, felizmente, o tenente atirou primeiro. Foi um caso de legítima defesa evoluído do estrito cumprimento do dever”, foi a sua avaliação antes mesmo de iniciar qualquer investigação sobre o fato.

Até onde sei, Corregedoria é para apurar, não para julgar e proferir sentenças como fez o coronel.

Um comentário:

ROBERTO BRANDÃO disse...

MUDANÇAS URGENTE! ! É NESCESSÁRIO
Segurança pública não se faz em detrimento do cidadão, mas em benefício deste. Nesse sentido, as políticas de segurança pública devem primar pelo respeito aos conceitos dos Direitos Humanos, implementando projetos consistentes que permitam transformações no sistema policial que deságüem na formação de uma polícia cidadã.
Nos últimos anos, temos percebido que as novas políticas públicas caminham preocupadas com o respeito aos Direitos Humanos, trazendo para a segurança pública, novos conceitos para o formato de um novo sistema policial. No entanto, sabemos que só teremos a oportunidade de visualizarmos mudanças significativas, que nos permitam vivenciarmos um policiamento cidadão, quando as transformações atingirem diretamente os agentes policiais, possibilitando as reformas necessárias e urgentes