26 de outubro de 2014

Júri condena ex-PMs por matar assaltante e vítima em 2004

http://ponte.org/juri-condena-ex-pms-por-matar-assaltante-e-vitima-em-2004/

Ex-policiais foram condenados a 37 anos e 4 meses de prisão depois de executar ladrão e matar vítima confundida com assaltante. Eles vão recorrer em liberdade
Os ex-policiais militares Nilton Silvano e Luis Henrique de Brito Domingos foram condenados na noite desta quinta-feira, 14/8, a 37 anos e 4 meses de reclusão por terem participado da execução de um assaltante e da própria vítima do roubo ao confundi-la com o ladrão, em 2004, na região de Sapopemba (zona leste de SP). Apesar da pena elevada, os dois poderão recorrer em liberdade.
No fim da madrugada de 13 de setembro de 2004, o estudante de direito Nélio Nakamura Brandão e a mulher tiveram o carro roubado por Alexandre Roberto Azevedo Seabra da Cruz e um comparsa quando se preparavam para sair de casa para o trabalho. Desesperado por imaginar que a filha estivesse dentro do veículo, Brandão pegou um revólver calibre 32 e saiu de moto atrás dos ladrões. Policiais militares foram avisados do crime e, segundo a acusação, mataram Brandão ao confundi-lo com os assaltantes. Cruz também foi executado. Ambos receberam três tiros.
O caso chegou a ser arquivado pelo Ministério Público Estadual em 2005 e só foi reaberto após denúncia à Organização dos Estados Americanos (OEA). Um tenente que participou da ação mudou a versão apresentada inicialmente, de que houve troca de tiros com o ladrão e que Brandão já estava morto quando foi encontrado. Ele incriminou os colegas, acabou expulso da corporação, tornou-se réu no processo, mas foi absolvido pelos jurados a pedido do Ministério Público Estadual em fevereiro deste ano (por legítima defesa e falta de provas). Silvano e Domingos foram expulsos da PM por processo interno referente à ocorrência de 2004. Além deles, outros dois policiais militares ainda serão julgados pelo caso.
Elizabete Nakamura (centro) comemora com amigas a condenação de PMs acusados de matar o filho dela/Foto: William Cardoso
Elizabete Nakamura (centro) comemora com amigas a condenação de PMs acusados de matar o filho dela/Foto: William Cardoso
Júri
Após a condenação desta quinta-feira, a juíza Rejane Rodrigues Lage aplicou pena de 18 anos e 8 meses a Silvano e Domingos por entender que houve alteração da cena do crime, violação do dever (eram policiais militares e deveriam prender o assaltante e proteger Brandão) e porque mataram o estudante mesmo ele alegando que era a vítima. Também contribuiu para o aumento do tempo de condenação o fato de os jurados terem entendido que houve emprego de recurso que dificultou a defesa das vítimas. A juíza dobrou a pena final por serem dois homicídios atribuídos a cada um, chegando aos 37 anos e 4 meses. A sentença foi proferida às 22h45.
O corpo de jurados foi formado por seis homens e uma mulher. Eram engenheiros, advogados, profissionais liberais e uma diretora de escola. Eles acompanharam um debate em que a defesa tentou desqualificar a denúncia do tenente contra os ex-colegas e a acusação criticou a trágica intervenção policial.
“Não é possível que o seu dinheiro seja usado para se fazer limpeza social, para matar o que é apontado como facínora da sociedade”, disse o promotor Fernando Cesar Bolque. “Dessa tragédia, dessa porcaria de atuação policial, resultaram duas mortes, a de um bandido e a do marido dela e do filho dela”, completou, apontando para a viúva e a mãe de Brandão, que acompanharam tudo da plateia. “É sabido e concebido que em todo quartel é necessário dar dois tiros, um de advertência e outro no peito, não exatamente nessa ordem”, falou.
O representante do Ministério Público Estadual ficou satisfeito com a decisão. “Já esperava a condenação, por tudo o que foi falado no plenário. As provas eram evidentes. O julgamento foi conforme nós pedimos e acredito que a pena foi extremamente bem aplicada e deve ser mantida.” A defesa entrou com recurso. “Considero o resultado incoerente. Em face do primeiro julgamento (do tenente), houve nulidade desse, que não poderia ter ocorrido”, disse a advogada Ieda Ribeiro de Souza, defensora de Silvano.
Durante todo o júri, os defensores alegaram que o tenente acusou os demais policiais para tentar se livrar das responsabilidades no caso. “O tenente quis se safar e fritou os soldadinhos”, disse Ieda, que pediu aos jurados para terem a capacidade de se colocar no lugar dos réus. O advogado de Domingos, Paulo José Domingues, assessorado por Enéias Rodrigues de Castro, questionou a lógica de condenar os dois soldados por crimes que aconteceram em locais diferentes (separados por cerca de 100 metros). Em todo caso, ambos os defensores alegaram a inocência de seus clientes.
Comemoração
Ansiosa pela sentença da juíza, a viúva do estudante, Heládia Brandão, comemorou a condenação dos réus. “A Justiça foi feita mediante muita luta e muita dor. É uma vitória, uma única alegria da família, diante de tantas outras que o Nélio deu e daria”, disse.
“Só quem perde sabe o que é essa dor e esse vazio”, diz mãe de estudante assassinado
A mãe do estudante, Elizabete Nakamura, também se comoveu com o resultado do júri, embora os ex-PMs tenham saído pela mesma porta que a família das vítimas. “A gente tem que dar voz, dizer que nesse Brasil também existe Justiça, apesar de ter procurado a Fundação Interamericana, fora, para atender ao meu apelo”, diz. “Só quem perde sabe o que é essa dor e esse vazio”, completa

22 de fevereiro de 2013

23 de fevereiro Meu anivérsario .

HOJE dia 23 de fevereiro, Completo 58 ANOS DO MEU anivérsário....Paulo Roberto Brandão... ESTou NUmA IDADE DE PROFUNDA REFLEXÃO...FOI COM TRINTA E TRÊS ANOS QUE O FILHO DE DEUS FOI SACRIFICADO, HUMILHADO, TEVE A SUA VIA CRUCIS...FATOS QUE DO PONTO DE VISTA HUMANO FOI UM FRACASSO... A MORTE DE JESUS CRISTO FOI UMA COISA FINITA, O SENTIDO DESTE ACONTECIMENTO É INFINITO E LIBERTA O HOMEM DE TODO MAL... PASSEI O DIA, PENSANDO NUMA FRASE, QUE UM PAI DE CINQUENTA E oito ANOS, PUDESSE DIZER A Familia FILHOS e Amigos, QUE COMPLETei HOJE cinquenta e oito anos...ENCONTREI a frase certa: BENDITO SEJA DEUS QUE NOS REUNIU NO AMOR DE CRISTO e muito agradecido SENHOR POR ESTÁ AQUI AGORA OBRIGADO MESMO...É SUFICIENTE...É TUDO... DESEJO-a todos e inclusive á Mim, TODA A FELICIDADE DO MUNDO...VOCÊS Meus queridos familiares QUE PRA MIM Foram COMO UMA ENCHENTE DE UM GRANDE RIO:TRANSBORDOU... TRANSBORDOU EM BONDADE....TRANSBORDOU EM SENSATEZ...TRANSBORDOU EM EQUILÍBRIO...TRANSBORDOU EM COMPETÊNCIA....TRANSBORDOU NA FÉ... Eu sou UM PRIVILEGIADO, DE PODER NO DIA DE HOJE,PERCORRER Seus sentimentos, E DEIXAR O CORAÇÃO FALAR DE FELICIDADE...e vibrar, POR SENTIR A PRÓPRIA VIDA...POR TER MOTIVOS PARA ESSENCIALMENTE, VIBRARMOS COM mais um Ano de EXISTÊNCIA...

13 de janeiro de 2013

roubo de Motocicletas em São Paulo Brasil.

http://youtu.be/9llFGJej4os Brasil, um país que anda cada vez mais sobre duas rodas. E a prova está nos números. A frota brasileira de motocicletas já passa dos 18 milhões. Somente São Paulo e Minas Gerais tem mais população que esse número. Todos os outros Estados não chegam nem perto disso. Um dado que aponta bem o peso das motos no transporte nacional. O problema é que, com tanta moto, aumentam também os índices de criminalidade. Os roubos e furtos de motocicletas subiram quase 30% somente no último ano. A ponto de muitas seguradoras se recusarem a fazer cobertura de motos. E as que fazem chegam a cobrar metade do valor do veículo. Não é a toa que apenas uma em cada seis motos tem seguro. É esse cenário de expansão do número de motos nas ruas e do aumento da criminalidade sobre duas rodas que Marcelo Rezende investiga no Repórter Record desta semana. Você vai acompanhar que a maioria dos crimes praticados com o emprego da moto são realizados por jovens entre 20 e 30 anos. Crimes praticados quase sempre de forma violenta, com abordagem de surpresa, com o uso de arma de fogo e ainda de escapada em alta velocidade. Se a moto facilita o deslocamento nos congestionamentos, também ajuda os bandidos na hora de fugir da polícia. As perseguições são sempre em alta velocidade e muito perigosas. Um risco para as vítimas e também para pedestres e a população em geral. Você vai acompanhar de perto os flagrantes em que as nossas equipes registram todos os momentos da captura de assaltantes sobre duas rodas. Criminosos que usam veículos roubados para praticar crimes. Em outros casos, você vai se surpreender com a quantidade de jovens que circulam pelas ruas em motocicletas roubadas ou sem a documentação de registro. E ainda, os menores de idade que, mesmo conhecendo as leis de trânsito, insistem em pilotar motos sem autorização legal. Esses e muitos outros casos de crimes e irregularidades sobre motos, você vai acompanhar com Marcelo Rezende neste domingo (5), no Repórter Record, logo depois do Domingo Espetacular. leia aqui: