5 de março de 2011

Quando alguém que amamos tem um distúrbio mental....



Se uma pessoa amada tem um distúrbio mental, lembre-se sempre de que um ouvido atento, ajuda quando necessária e uma mente aberta podem ajudá-la a sobreviver — e até a ter uma boa qualidade de vida.
Quando tudo o que você diz parece não surtir efeito, fique quieto e escute
Alguns nomes foram mudados.
# Devido ao estigma associado a “distúrbio mental”, alguns preferem o termo “distúrbio cerebral”, visto que sugere de imediato causas neurobiológicas.
Sintomas de distúrbios mentais
Se alguém apresentar alguns dos seguintes sintomas, talvez precise consultar um médico ou um especialista em saúde mental:
• Tristeza ou irritabilidade prolongadas
• Reclusão
• Altos e baixos emocionais
• Raiva excessiva
• Comportamento violento
• Abuso de substâncias
• Temores, preocupações e ansiedades excessivos
• Pavor de ganhar peso
• Mudança significativa nos hábitos alimentares ou de sono
• Pesadelos constantes
• Confusão mental
• Delírio ou alucinações
• Fixação com a morte ou suicídio
• Incapacidade de lidar com problemas e atividades diárias
• Negação de problemas óbvios
• Numerosas e inexplicadas doenças físicas
• Reconheça os sintomas. Um distúrbio mental talvez não seja diagnosticado imediatamente. Amigos e familiares podem achar que os sintomas são provocados por mudanças hormonais, doenças físicas, fraqueza de personalidade ou circunstâncias difíceis. . No entanto, mudanças significativas no sono, na alimentação ou no comportamento podem indicar algo mais sério. Procurar um especialista pode ser de ajuda para conseguir um tratamento eficaz e melhorar a qualidade de vida de quem passa por isso.
• Informe-se. Pessoas com distúrbios mentais geralmente têm pouca capacidade de entender sua própria condição. Por isso, a informação que você conseguir de fontes atuais e confiáveis poderá ajudá-lo a compreender o que a pessoa está passando. Poderá também ajudá-lo a saber conversar com outros abertamente e com conhecimento de causa. alguns relatórios médicos sobre a doença para que fiquem mais informados e souber como cooperar em vista do problema.
• Cuide-se. O estresse resultante de se cuidar de alguém que tem um distúrbio mental pode colocar em risco seu próprio bem-estar. Portanto, é essencial prestar atenção às suas necessidades físicas, emocionais e espirituais.

CLIK AQUI

leia mais aqui:


TRANSTORNO MENTAL
2001- Ano Mundial da Saúde Mental
"Cuidar, sim. Discriminar, não"
O Dia Mundial da Saúde (07 de abril) é um evento anual da O.M.S. A cada ano
um novo lema é selecionado para realçar questões de saúde pública de interesse
mundial. O dia mundial da saúde em 2001 foi dedicado a atividades de promoção da
conscientização dos problemas de saúde mental. O objetivo principal foi provocar
impacto na opinião pública e estimular o debate sobre como melhorar as condições
atuais de saúde mental no mundo todo e diminuir a discriminação em relação ao
doente mental.
Verdades e Mentiras sobre Doenças Mentais:
As doenças mentais são somente fruto da imaginação? Não. São doenças
verdadeiras que causam muito sofrimento, podendo inclusive levar o doente à morte.
As doenças mentais são pura "frescura", fraqueza de caráter, "doença de rico"?
Não. As doenças mentais são causadas por fatores biológicos, psicológicos e sociais,
e atingem todas as classes com a mesma intensidade.
Pessoas com doenças mentais são perigosas e devem ser excluídas da família, da
comunidade e da sociedade? Não. Pessoas com problemas de Saúde Mental não
representam perigo para a família, comunidade ou sociedade. Por esse motivo,
devem ser tratadas adequadamente e inseridas na comunidade, sem medo ou
exclusão. Assim, poderão levar uma vida normal, feliz e produtiva, como todo mundo.
Já existe tratamento e cura para doenças mentais? Sim. Já existem tratamentos
efetivos e sem sofrimento, ao alcance de todos.
Você sabe o que é loucura? Loucura é preconceito, é humilhar e excluir pessoas que
sofrem de doença mental.
Os mitos em relação aos problemas de Saúde Mental são responsáveis por
enorme medo e vergonha e com isso contribuem para que muitas pessoas que
necessitam de ajuda, não busquem tratamento por falta de conhecimento.
Atualmente, cerca de 400 milhões de pessoas em todo o mundo sofrem de
perturbações mentais ou neurológicas, ou de problemas psicossociais, como o uso
abusivo de álcool e drogas. A grande maioria sofre silenciosamente com sua doença,
e também com a exclusão social que a doença provoca. A exclusão é resultado dos
estigmas e preconceitos contra a doença mental. Os estigmas são rótulos negativos
usados para identificar pessoas que sofrem de doenças mentais e são barreiras que
impedem os indivíduos e suas famílias de buscar ajuda, pelo medo de serem
excluídos.
É isso o que mais contribui para os baixos índices de busca por tratamentos
adequados. Todo mundo está vulnerável a sofrer de problemas mentais, que são
diagnosticáveis, tratáveis e podem ser prevenidos a tempo.
Existe um alto risco de suicídio entre pacientes com esses problemas e a vida
de uma pessoa com doença mental pode ser salva com um tratamento apropriado


click leia mais aqui:

4 comentários:

Neusa Fiesta disse...

Olá Roberto! Acredito que conviver e amar uma pessoa com transtornos mentais, deva ser algo muito difícil. Somente através do amor e da compaixão é que conseguiremos enfrentar os revezes do dia-a-dia que esse relacionamento promove. Não é tarefa fácil para ninguém! Há que existir muito afeto e paciência...
Parabéns pelo excelente post.
Um grande abraço!

Jucifer disse...

olá guri
bah num deve ser nadica facil conviver com alguem apresentando estes sintomas, a mente humana é mesmo a pior arma conheço algumas pessoas q eu diria com pequenos destes disturbio pessoas q naum veem nada de bom na vida se irritam com facilidade de tudo q vivem na amargura q preverem tristeza q sempre veem o lado ruim das coisas e nunca o lado bom é complicado tudo isso

bjo grande guri

Paulo Roberto Brandão disse...

Realmente somente atraves do AMOR;Ou nos conscientizamos que devemos ser dedicados a essa pessoa, ajuda-la nas suas necessidades, ou iremos ter uma luta na cabeça, de abandonar alguém que precisa de nós e que gostamos só porque ela não pode ser racionalmente equilibrada como você... é , é complicado, isso depende que cada um , das vivências que tivemos ao longo da vida, do nosso próprio caractér, da nossa atitude, da nossa forma de encarar a vida com solidariedade!

Recolore disse...

Oi Roberto.
obrigada,sempre,sempre,sempre!
Sua visita é muito agradável!!
Abraços,
Rosana